quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

O QUE TENHO DE MIM

Foi um ano difícil! Muito difícil!
E justamente por esta razão, sou grata.
Posso dizer que todas as dificuldades pelas quais passei - e ainda passo - contribuem para que muitas transformações ocorram dentro de mim.

Consegui aprender boas lições sobre a vida, sobre as pessoas... Consegui modificar conceitos, agregar valores. Fui fundo na dor e no amor. Me machuquei e me curei.

No final do ano passado, perdi a consciência, caí, bati a cabeça no chão duro do banheiro da minha casa e fiquei com parte do rosto cheio de hematomas. Milagrosamente nada aconteceu além dos hematomas, que lentamente desapareceram do meu rosto ao longo dos meses.

No meu processo interno, não tive um chão duro para cair, porque simplesmente não encontrei o chão. Sabe aquela expressão "perdi o chão"? Pois é... foi assim! Flutuei no ar sem encontrá-lo e agarrada na minha fé, descobri minhas asas fortes... saí voando como a borboleta que deixa seu casulo e fui borboletear ao encontro de almas nobres e no colo seguro de Deus. Os hematomas invisíveis encontraram o bálsamo da cura na aceitação de mim como sou e na aceitação do outro como ele é.

Algumas fontes secaram e outras jorraram abundantes, de tal forma que saí saciada e enriquecida com o que tenho. Com o que tenho de mim!
E o que tenho de mim, é tudo que vou levar desta vida.

Foi um ano no qual exercitei a criatividade. Fiz vasos, plantei mudas e cuidei delas. Consegui realizar um antigo sonho: cultivar uma pequena horta de temperos e ervas. Com elas, a culinária também se tornou mais criativa.

Também consegui exercitar o desapego. Será o primeiro Natal sem o Bruno, meu primogênito. Não faço ideia de como vou me sentir. Lembro-me de que, no seu primeiro ano de vida, fiquei ao lado do berço imaginando como Maria se sentiu quando se tornou mãe de Jesus. Hoje, fico imaginando como ela se sentiu quando seu filho andou com "estranhas ideias" para aquele tempo.
O que tenho é o consolo de que, onde ele estiver, estará bem.

Para vocês meus leitores, fica a minha gratidão pelo compartilhamento das minhas emoções e experiências! As estatísticas registram que houve mais de 4.000 acessos aos textos que escrevi neste blog em 2015. Isso me faz pensar que talvez alguém tenha aproveitado alguma coisa e que minha missão nesta vida terrena está sendo cumprida.

Considero-me um ser espiritual vivendo uma experiência humana. Quando deixar esta "casca" irei embora com tudo o que tenho. Tudo o que tenho de mim!

Que a luz brilhe nos nossos corações intensamente em benefício do amor! Feliz Natal! Feliz 2016!



Kátia Ricardi de Abreu