domingo, 20 de agosto de 2017

SEGUIR, NÃO IR, LIVRAR, AFASTAR

publicado na Revista Bem-Estar, jornal Diário da Região 20 agosto 2017



Seguir Com, Não Ir a parte Alguma, Livrar-se ou Afastar-se de alguém, são as quatro categorias de operação social dinâmica no final de cada encontro breve ou longo entre as pessoas, de acordo com Franklin Ernst Jr. Tendo como pilares as Posições Existenciais que Eric Berne criou para entendermos o que uma pessoa como eu está fazendo em um mundo destes com pessoas como você, estas operações ajudam a compreender os relacionamentos interpessoais e os vários estados de sentimentos que a pessoa pode experimentar em diversas ocasiões de sua vida.
Seguir Com, sugere ir em frente, continuar investindo no relacionamento, com credibilidade em si e no outro. Significa compreender e aceitar as imperfeições próprias e alheias e apesar dos pesares, não desistir. Contornar, alinhar, discutir a relação, perdoar, recomeçar quantas vezes for necessário, partindo sempre da premissa de que cada um tem suas limitações, mas acima delas, há o desejo de estarem juntos. Casais, amigos, namorados, ficantes, não importa qual é o tipo de relacionamento, podem ter crises, conflitos, discordâncias, e podem superar tudo se ambos desejarem muito o prosseguimento deste relacionamento, que pode mudar de modalidade. Por exemplo: não estarem mais casados, namorados, ficantes, mas continuarem amigos.
Não Ir a parte Alguma, ocorre quando não há mais chances de qualquer tipo de investimento de tempo, energia, afeto, nada, nada, nada. Significa desistir de se relacionar por falta de credibilidade em si, no outro e em qualquer relacionamento. Não confundir com a decisão consciente e saudável de desistir ou não querer entrar em um relacionamento por outras razões.  Amargura e solidão, farão parte da vida de pessoas que não acreditam na capacidade de amar e de serem amadas, muitas vezes disfarçadas de um discurso contrário a isso, mas de atitudes que boicotam as possibilidades de aproximações e relações duradouras. Por exemplo, a pessoa recusa todos os convites do outro para um encontro, porque está com dor de cabeça, ou porque tem que cuidar do gato, não é um bom dia para sair porque vai chover e assim por diante, até o outro desistir. Quando os convites cessam ela pensa que o outro não queria nada mesmo, se quisesse, teria insistido mais.
Livrar-se do outro inclui buscar motivos, uma lista de razões para justificar porque o outro não serve, não vai dar certo. Há a crença de que o outro não está à altura (e nunca ninguém estará!), não faz parte do seu mundo real ou idealizado. A pessoa se sente “o cara” e nunca vai encontrar outro “cara” que possa merecê-la. Relacionamentos assim, podem dar certo quando o outro se adapta a esta desigualdade, mas não vai durar muito tempo porque chega a hora em que, apesar da adaptação, ocorre a expulsão. Geralmente, livra-se do outro de forma desqualificadora, arrogante, insensível, sem muitas ou sem alguma explicação. O outro que vá catar os caquinhos que sobraram da sua alma e se tiver um pouco de autoestima, poderá se reconstruir.
Afastar-se do outro é o inverso ou o complemento de Livrar-se do outro. Trata-se da desistência do relacionamento por aquele que está na posição de não ser “o cara”. A pessoa se afasta por não conseguir conviver com este sentimento constante de deixar a desejar. Ela se sente inferior e este sentimento de inferioridade a leva a abrir mão do relacionamento para não sofrer mais. Pode até doer, mas o alívio ao vivenciar aquela sensação de menos valia, é a compensação.
Recebo diariamente pessoas em meu consultório em busca da primeira opção em seus relacionamentos: Seguir Com. Mas isso não depende apenas de uma das partes. Para um relacionamento ser saudável, todos os envolvidos precisam investir na busca de suas resoluções internas, na compreensão da perspectiva do outro, na escuta qualificada, na presença intensa, inteira, acolhedora, afetuosa. Relacionamentos são tesouros que brilham na alma e cujo valor não tem preço. Fazem nossa vida valer a pena e nossa boca se abrir em enorme sorriso quando estamos diante de pessoas às quais sabemos que podemos Seguir Com. Finalizo com Carlos Drummond de Andrade: “As coisas tangíveis tornam-se insensíveis à palma da mão. Mas as coisas findas, muito mais que lindas, essas ficarão”.

KÁTIA RICARDI DE ABREU
PSICÓLOGA CRP 06/15951-5 Especialista em Análise Transacional
17 997724890 Ego Clínica e Consultoria


terça-feira, 4 de julho de 2017

A VIAGEM É CURTA!


Recebi o texto abaixo de um amigo, e repasso para vocês. Desconheço o autor. Cheio de verdade, faz-nos refletir sobre as bobagens que nos tiram energia e nos afastam na vida cotidiana, por falta de maturidade psicológica e espiritual. Então, lá vai:


Uma jovem estava sentada num transporte público quando uma senhora, mal humorada e velha, veio e sentou-se ao lado dela batendo-lhe com suas numerosas sacolas Uma pessoa sentada do outro lado, ficou injuriada com a situação e perguntou à moça por que ela não reclamou ou disse algo para a velha senhora!

A moça respondeu com um sorriso: - Não é necessário ser grosseiro ou discutir sobre algo tão insignificante, nossa jornada juntos é tão curta.

Se cada um de nós pudesse perceber que a nossa passagem por cá tem uma duração tão curta... Por que escurecê-la com brigas, argumentos fúteis, não perdoando os outros, com ingratidão e atitudes ruins?

Isso seria um grande desperdício de tempo e energia!

Alguém quebrou seu coração? Fique calmo, a viagem é tão curta...

Alguém lhe traiu, intimidou, enganou ou humilhou? Fique calmo, perdoe, a viagem é tão curta...

Qualquer sofrimento que alguém nos provoque, vamos lembrar que a nossa jornada juntos é tão curta...

Sejamos cheios de gratidão e doçura. A doçura ´´e uma virtude nunca comparada ao caráter mau ou covardia, mas melhor comparada à grandeza.

Nossa jornada juntos aqui é muito curta e não pode ser revertida...

Ninguém sabe a duração de sua jornada. Ninguém sabe se terá que descer na próxima parada.

Vamos, portanto, acalentar e manter a doçura e amabilidade com oos amigos e familiares! Vamos tentar nos manter calmos, respeitosos, gentis, gratos e perdoar uns aos outros.

Se eu fiz algo que pudesse ter machucado você, peço perdão. A viagem aqui na Terra, é tão curta!



quarta-feira, 15 de março de 2017

ASSÉDIO MORAL



A Dra. Margarida Barreto, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, defendeu tese de mestrado pesquisando 2.072 trabalhadores das indústrias química, plásticos, farmacêuticos e cosméticos que sofreram assédio moral (42% deles). Segundo ela, o assédio moral está sempre presente em relações hierárquicas de poder em que há o autoritarismo. Normalmente é caracterizado por atos de intimidação e práticas de humilhar, de rebaixar, de intimidar o outro. São práticas que se realizam, se concretizam no local de trabalho. Que individualizam o problema em uma só pessoa, tratam um indivíduo como incapaz, quando na verdade isso é resultante de condições outras de trabalho, envolvendo uma série de outros fatores, principalmente a pressão para: trabalhar, produzir, dar qualidade em pouco tempo. 

Hoje, no mundo do trabalho, há menos pessoas trabalhando muito mais. É freqüente Empresas fazerem cortes de funcionários para conter despesas e aumentar suas exigências em termos de produtividade para os que ficam. As metas são estabelecidas pelos chefes, porém, estes não escolhem estratégias para que os trabalhadores atinjam as metas estabelecidas. Muitos acabam adoecendo com as exigências irreais. Alguns chegam a tentar o suicídio. A Dra. Margarida alerta para o aumento do número de casos de assédio moral. Segundo ela, esse aumento tem sido marcante no aparecimento de doenças, de manifestações depressivas, observadas através de sua experiência como clínica médica há trinta anos. Eu concordo com a Dra. Margarida. Nestes vinte anos, o número de queixas que trazem as pessoas para a psicoterapia aumentou consideravelmente em torno das relações desumanas no trabalho, dentre elas, o assédio moral. Mas observo que as pessoas têm uma tendência à auto-culpa, o que é muito comum nesta situação. A Análise Transacional oferece instrumentos eficazes onde as vítimas de assédio moral, aprendem a sair do alvo do agressor. Porém, este agressor elegerá um outro alvo. Somente através de um trabalho com a própria Empresa, mais especificamente com as chefias, é que se pode neutralizar este “vírus”, que se espalha dia a dia pelas organizações, afetando as relações no trabalho e adoecendo pessoas que, muitas vezes, não conseguem discernir que o problema é estrutural e não, individual. Infelizmente, os chefes não conseguem discernir, por sua vez, que estão contribuindo para a queda na produtividade, e para muitos outros danos, inclusive financeiros para esta Empresa.

Observo, na minha prática clínica, que o assédio moral não ocorre apenas de chefe para subordinado. Ocorre também entre subordinados, que querem se destacar perante o chefe, perante os outros ou perante eles mesmos. Por exemplo: o funcionário que tem iniciativa e realiza uma ação, com 99% de acertos, pode ser assediado moralmente por aquele seu companheiro de trabalho, que se aproveita do 1% que ele próprio denomina de “erro”, para massacrar seu colega de trabalho, como se ele não tivesse feito nada de bom. Esse massacre é sutil, é no pé do ouvido, dia após dia, com o chefe ou com os companheiros. Aos poucos, aquele indivíduo que fez algo que merece reconhecimento acaba se tornando o “bode expiatório”. Principalmente, quando a competência dele incomoda. É um conjunto de jogos de poder. Quando o assédio moral não atinge o assediado profissionalmente, a tendência é partir para o ataque na vida pessoal. Surgem “fofocas” sobre o comportamento do indivíduo de tal forma que nada se prova, mas o estigma se instala e só o tempo poderá apagar ou não os comentários feitos não se sabe por quem. O que o assediado pode fazer? Existem três alternativas:

Resistir. Buscar solidariedade do grupo. Esta é a alternativa mais saudável. 
Demitir-se, procurar outro emprego, por não encontrar apoio dentro do grupo, dentro da Empresa. Considero esta alternativa saudável também. A Dra. Margarida recomenda que o funcionário vá ao sindicato da categoria, Centro de Referência do Trabalhador, que são ligados às Secretarias de Saúde do Estado ou do Município, Ministério Público ou mesmo o Conselho Regional de Medicina, dependendo da esfera do assédio moral. 
Continuar trabalhando por medo de não encontrar outro emprego e ao mesmo tempo, com medo de perder este emprego e nesta posição, acaba adoecendo.

A Dra. Margarida relaciona as principais doenças causadas pelo assédio moral pesquisadas por ela: mais de 50% dos casos são manifestações depressivas, hipertensão, dores generalizadas pelo corpo, tensão no pescoço, gastrite – distúrbios digestivos – e distúrbios do sono. As pessoas pesquisadas mostram o resultado desse adoecer com exames clínicos. Tudo em conseqüência do trabalho.

Como fazer a prevenção do assédio:

Segundo a Dra. Lys Esther Rocha, que é do Departamento de Medicina do Trabalho da Faculdade de Medicina da USP e defendeu tese de doutorado sobre o stress no trabalho, há instrumentos dentro das Empresas que poderiam ajudar de alguma forma, no sentido de estar discutindo as condições no trabalho; até que ponto elas são viáveis e quais as conseqüências disso: são as Comissões de prevenções de acidentes e as comissões de qualidade de vida no trabalho.O importante é entender que o problema não é do indivíduo, mas das condições de trabalho que permitem que chefes e/ou outras pessoas que realizam o assédio moral, tenham espaço para isso. Ela exemplifica: “nas Empresas onde a qualidade do trabalho é muito importante, tipo indústria química, nuclear, aviação, onde o stress determina um risco grave em termos de responsabilidade, estes problemas têm sido rapidamente resolvidos”.Então, por que não resolver em todas as outras Empresas? Afinal, o mundo corporativo não está em busca de qualidade? Não está querendo lucros? Os programas de qualidade total consideram todas as funções importantes e de responsabilidade dentro do processo. Penso que a saúde e a qualidade de vida do cliente interno (funcionários) deveria ser levada mais a sério, pelos dirigentes das Empresas, até mesmo, para que eles possam obter os resultados financeiros desejados. 

O mais interessante, é que muitas Empresas não conseguem enxergar quanto perdem com isso. A diretoria pensa em produção, em metas, mas não tem visão sobre o quanto as relações no trabalho interferem no processo. Os profissionais da área da saúde estão recebendo milhares de pessoas estressadas, que começam a apresentar queda na produtividade, depressão e até enfarto. Segundo a Dra. Lys, a saída para não responder às agressões e humilhações tem sido: academias de ginástica,dança, etc. Penso que pode ser como uma estratégia para canalizar as emoções.

Vamos torcer para que as Empresas possam um dia compreender que a produtividade está diretamente ligada a um ambiente de trabalho sadio, e assim, dar a devida importância para as relações humanas entre os seus funcionários. Com certeza, os lucros serão maiores em todos os sentidos, para todas as partes. 

Quem pratica assédio moral, no meu entendimento, está trabalhando contra a própria Empresa, muitas vezes com a conivência das pessoas que estão na cúpula dela. Isso seria burrice? Prefiro acreditar que é apenas falta de informação. 

Kátia Ricardi de Abreu é Psicóloga especialista em Análise Transacional, Membro Certificado Clínico pela ALAT e pela UNAT-BRASIL, atua na área clínica, é  consultora de empresas e escritora

Este artigo está publicado em www.katiaricardi.com.br e vários sites autorizados pela autora

quarta-feira, 8 de março de 2017



A AMÉLIA DE HOJE 

“Que, finalmente, o outro entenda que embora às vezes me esforce, não sou nem devo ser a mulher-maravilha, mas apenas uma pessoa vulnerável e forte, incapaz e gloriosa, assustada e audaciosa ... Uma Mulher!” Lya Luft


            Ter sucesso profissional sem deixar de ser excelente dona-de-casa, mãe exemplar com filhos exemplares, amante fogosa com um corpo impecável, rosto sem rugas e belas pernas. É a armadilha perfeita. A mulher que busca atingir todos estes quesitos vai encontrar muita frustração e conviver com muita culpa.
            Liberdade já não é mais problema externamente. A mulher pode fazer tudo o que um homem faz. A briga agora, é outra: a conquista da liberdade interna, que só pode ser concedida pelo superego.
            A Amélia de hoje não é perfeita, não dá conta de tudo e muitas vezes se perde e se confunde com estes andróides padrões de beleza que muitas vezes, levam ao exagero; desajeitada numa imagem corporal idealizada (por quem?), corre o risco de se desconectar de sua essência, privando-se daquela que realmente é. Estressada, agoniada, deprimida quando não respeita seus limites e fraquezas, ela busca uma carreira meteórica em detrimento da qualidade de vida. Não satisfeita em dar o melhor de si, embarca em cobranças irrealistas e estabelece competições absurdas, querendo quebrar o próprio recorde da polivalência perfeita.
            A escritora e psicoterapeuta Lídia Aratangy propõe um estilo de vida realista onde a mulher é dona de si, dona de sua história e sabe se ouvir para traçar o seu destino, de tal forma que não se submete a uma vida olímpica e perfeita. Dá o melhor de si para que o mundo seja melhor, sem se esquecer que é uma simples mortal, dotada de fraquezas e limitações.
            A escritora nos lembra que muitas bandeiras já foram erguidas pela mulher através dos tempos para romper barreiras e conquistar espaços no mundo e convida as mulheres a hastear agora, a bandeira da trégua e do descanso, para olhar para a vida com orgulho do que está conseguindo fazer, reconhecer o que já conquistou e caminhar em frente respeitando seu ritmo, que não é lento; é simplesmente humano. A Amélia de hoje pode conquistar a sua própria tolerância e assim, ser respeitada pelo outro, lembrando-o de que chegou a sua vez do quebra-encanto. A mulher já compreendeu, há muito, que não existem príncipes encantados (ou ainda há quem acredita nisso?) Agora, é a vez dos homens compreenderem que não existe a mulher maravilha.
            Oxalá destituídas de onipotência possamos agendar compromissos do tamanho de nossas pernas, considerando o dia com 24 horas ao invés de cobrarmos as pendências resultantes de uma voracidade em produzir muito mais do que nossa capacidade humana nos permite. Definitivamente, não está mais na moda ser workaholic (e olha que eu já fui - mas consegui me curar!). Ser competente também é conquistar o caminho do equilíbrio, de tal forma que a vida se torna pacífica, apesar de todos os surpreendentes desencontros e variáveis desagradáveis que até mesmo a natureza está nos proporcionando.
            Na bolsa da mulher, indispensável ainda é o batom que tem que dar espaço agora também para o filtro solar. No coração, indispensável é a ternura e a sensibilidade para perceber desejos e necessidades, acompanhados de sua impotência para atender a todos eles.

Kátia Ricardi de Abreu
Psicóloga Clínica especialista em Análise Transacional, Consultora de empresas e escritora.

terça-feira, 7 de março de 2017


MUITO ALÉM DAS FLORES...

Embora todo o arsenal de informação globalizada e tecnologicamente acessível em nossos tempos, há quem pense que o Dia Internacional da Mulher é um dia comercial, como o dia das mães, dos pais, dos namorados...
O dia 08 de março vai muito além das flores ou bombons. Trata-se de uma data histórica, onde 129 operárias perderam a vida num conflito com forças policiais nos Estados Unidos, em 1857 porque fizeram uma manifestação grevista em prol da redução da jornada de trabalho e do direito à licença-maternidade. O fato inspirou o filme hollywoodiano, cuja protagonista foi vencedora do Oscar por interpretar a operária Norma Ray.
Longe de querer ser feminista, ressaltar as conquistas da mulher através dos tempos tornou-se motivo de orgulho, principalmente quando sentimos na pele, em pleno século XXI, as manifestações veladas da discriminação (ainda!). A sutileza é grande, porém, não escapa à percepção feminina.
As características psicológicas e emocionais típicas do sexo feminino equalizam um estilo produtivo que deixa um resultado visivelmente positivo no cenário mundial:
A indiana Indira Gandhi, assassinada em 1984, foi presidente do Congresso indiano, primeira-ministra da Índia, sendo a primeira mulher a ocupar um cargo de chefe de governo numa sociedade de base patriarcal. Margaret Hilda Roberts Thatcher tornou-se a primeira mulher a ocupar o cargo de primeiro-ministro da Grã-Bretanha e a primeira a liderar uma nação no Ocidente. A médica pediatra Verônica Michelle Bachelet foi eleita presidente do Chile e a física Ângela Merkel, desde 2005 é a primeira mulher a ocupar o cargo de chanceler da Alemanha. Temos também a presidente liberiana, Ellen Johnson-Sirleaf, primeira chefe de estado de um país africano. Nancy Pelosi é a segunda pessoa na linha sucessória presidencial dos Estados Unidos e entrou para a história americana em janeiro de 2007 ao se tornar a primeira mulher a presidir a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos. Braço direito do Presidente Bush, a secretária de Estado Condolezza Rice é quem lida com a parte internacional do governo norte-americano. Sem contar Hillary Diane Rodham Clinton, primeira mulher a tomar posse como senadora pelo estado de Nova York; mesmo depois de todos os problemas conjugais expostos ao mundo, preferiu não entrar no papel de vítima e ficar para a história como coitadinha. Ela buscou recursos para a pesquisa do câncer de mama e vacinas infantis e recebeu prêmios Fundação Humanitária Elie Wiesel e o Prêmio Martin Luther King em função do trabalho social desenvolvido.
Em terras tupiniquins, a mulher ocupa 13% dos cargos de direção, 41% da População Economicamente Ativa, 40% do mercado de trabalho, sendo que mais de 25% das famílias brasileiras são sustentadas por mulheres. Ainda, temos aquelas que dão reforço ao orçamento com trabalhos informais e aquelas que renunciaram a uma carreira profissional para serem o suporte para os homens irem à luta.
Este é o frágil sexo forte, que “todo mês sangra”! (Rita Lee teve sua música censurada durante muitos anos por causa destas três palavras inseridas na letra da música “Cor de Rosa Choque”).
É expressiva a contribuição da mulher na família e no trabalho, com seu perfil conciliatório.
“...Por isso, não provoque a cor de rosa choque.
Não, não, não provoque”... (Rita Lee)

Kátia Ricardi de Abreu, Psicóloga Clínica Analista Transacional, Consultora de Empresas e escritora.

sábado, 4 de março de 2017

EX



Ex-namorado, ex-marido, ex-esposa, ex-presidente, ex-funcionário, ex-ficante, ex-sogra, ex-isso, ex-aquilo. Uma das coisas mais difíceis é ser ex. Saber sair de cena com dignidade, equilíbrio e categoria.
Nas relações amorosas, ser ex é um verdadeiro teste de diplomacia. Já vi gente criar perfil fake para seguir o ex. O outro extremo também acontece: ignorar o ex, fingir que não o conhece. Não dá para se comportar como se a pessoa nunca tivesse feito parte da vida. Por mais traumático que tenha sido o relacionamento ou o rompimento, um dia a coisa foi boa, senão não teriam ficado juntos por algum tempo. O amor acabou (mesmo?), mas o respeito, a consideração, pode continuar e esta é a arte de ser ex.
Que coisa feia quando a pessoa sai falando para quem quiser ouvir, sobre aspectos da intimidade do ex. Conta seus defeitos, expõe seus pontos fracos mais constrangedores, diz que ele tem chulé, mau hálito e disfunção erétil. Que ela tem cabelo postiço, cheiro de bacalhau e ronca à noite. Barbaridade!
Os segredos do casal devem permanecer entre o casal mesmo que o relacionamento acabe. Abra o dicionário e procure pelo verbo “acabar”. Lembre-se de que o que acabou foi apenas esse relacionamento. Outros virão. E o principal: a vida não acabou. Poderá ficar melhor ainda com as lições sobre o que não fazer e o que fazer para ter uma relação amorosa duradoura.
Ciúme de ex é bizarro. A mulher não pode cumprimentar o ex, porque o namorado atual briga com ela, no estilo “teu passado te condena”. O homem tem que jogar fora o rolex e a caneta Montblanc presenteados pela ex porque a namorada atual é só chilique quando vê esses objetos. Ora, se ocorrem problemas com o ex, é porque ele ainda é! A separação física pode ter ocorrido, mas a psicológica, ainda não.
Ex-funcionário também pode dar “bafão”, sair falando mal da empresa e das pessoas com quem trabalhou. Jogar sinuca no boteco contando as intimidades corporativas e passando informações gratuitas, tomar cerveja com os ex-colegas de trabalho para atualizar as fofocas. Nada mais antiético!
A mídia revela diariamente o quanto é difícil ser ex. Prestem atenção nas declarações de ex-presidentes, ex-alguma-coisa na área política. É difícil voltar a ser um simples mortal depois de tantos holofotes, tapetes vermelhos, festas com mesas cativas, destaques em revistas e jornais e todos os aparatos do poder.
Ex-amigo é uma tristeza. Penso que amigos nunca deixam de ser amigos. Podem se afastar, se separar, se distanciar, se estranhar. Rompimento definitivo na amizade é sinal de decepção das grandes, quando se descobre que aquela criatura parecia ser uma coisa e era outra. O ex-amigo costuma deixar profundas cicatrizes na alma.

Passageiros chegam, passageiros partem na estação da vida. Assim também é no coração de cada um de nós. Reavaliamos e reformulamos constantemente nossos vínculos. Abrimos e fechamos ciclos de convivência. Como fazer isso de forma madura e saudável? Acenar sorrindo, despedir-se mansamente, sem amarguras faz parte da arte de ser ex.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

O LADO B DO PODER

Em uma manhã encalorada deste verão, pensei em Claude Steiner ao esbarrar meus olhos em uma de suas obras repousando na minha estante. Algumas horas depois, constatei que estávamos exatamente no dia do nascimento deste mestre querido. Enviei uma tímida mensagem, cumprimentando-o, encorajada pelas respostas sempre gentis que ele me dirigiu em outras ocasiões. Mas esta mensagem ele não pôde responder. Naquele dia, Steiner estava às margens do lago em seu rancho em Ukiah, Califórnia, rodeado pela família, despedindo-se da sua passagem pela Terra. Segundo sua filha Mimi, ele se foi “olhando para a água, ouvindo música, chorando e rindo a beleza da vida”.
Voltei até a estante e peguei aquele livro. Com as folhas amareladas e com o texto grifado até não poder mais, a primeira página tinha minha letra reproduzida pela esferográfica registrando que eu o havia adquirido em 1988 em um dos Congressos de que participei. Dentro do livro, encontrei um registro mais precioso: minha foto com Steiner, em encontro que tivemos em 1992. Folheando e lendo alguns parágrafos grifados, observei o quanto este mestre querido esteve muito além do seu tempo. Como são atuais suas ideias publicadas na década de 80, sobre o uso do poder para mudar padrões de relacionamento interpessoal, grupal e social de forma cooperativa, pacífica e construtiva: o outro lado do poder.
Jogos de poder são transações tóxicas, desonestas, manipuladoras, para fazer com que as pessoas façam o que o jogador quer que elas façam e ainda (pasmem!), tendo a sensação de gostar de fazê-lo.
Steiner ensinou a identificar e compreender os Jogos de Poder. Mais que compreender, ele ensinou a responder aos Jogos e manipulações desbancando o abuso do Poder nas relações sociais, políticas, familiares, conjugais.
 O uso e o abuso do Poder acontecem de forma sutil, suave, elegante. Fingir não ter poder algum é uma forma requintada de usar o Poder.  O abuso requintado do Poder é a capacidade de persuadir o outro a desejar o que você deseja.
Há uma crença na qual, Poder e Sucesso andam juntos. Neste cenário, acrescenta-se a Competição: para se sentir poderosa, a pessoa precisa minar o poder do outro. Este mundo tendencioso é lamentavelmente bidimensional – só existem duas alternativas: tudo ou nada, branco ou preto, isto ou aquilo, ganhar ou perder, você é meu amigo ou é meu inimigo, está no meu time ou contra mim, faz tudo que eu quero ou não me ama. Através da intimidação apoiada no medo das pessoas e na exploração da culpa, das ameaças sutis e veladas às agressões e torturas, o jogador também pode fazer uso das mentiras descaradas ou segredos e meias-verdades, mexericos e boatos.
Sentimentos de amor e desejos de dominar os movimentos do outro (controle) são confundidos nos relacionamentos conjugais gerando ciúme e posse.  O uso e abuso de poder nas relações conjugais ocorrem sutilmente, protegidos pela fachada de “casal 20”, beijocas, elogios mútuos e tudo o mais. Agressões passivas, controle exacerbado, cobranças. Ciúme possessivo deve ser diferenciado do ciúme que questiona a validade da relação afetuosa diante da violação de um acordo de mutualidade do amor entre duas pessoas, onde uma delas se sente em déficit.
                Nações são governadas com o uso e abuso do Poder a serviço das vaidades pessoais. A ficção na série House of Cards mostra como e os jornais também. O cenário político mundial está impregnado de Jogos de Poder, um verdadeiro cassino cujo saldo final é a miséria em todos os sentidos, sobretudo a miséria de caráter. A forma mais triste de Jogo de Poder chama-se Guerra, com armas ou sem, destruindo vidas, ceifando sonhos, semeando discórdia, incendiando conflitos, favorecendo grupos, corrompendo pessoas e instituições.
Para fazer o contraponto, há um conjunto de Jogos de Poder que são defensivos e levam o jogador a atingir suas metas passivamente. Geralmente acontecem quando a pessoa não quer fazer algo que o outro deseja que ela faça. Para se esquivar (ao invés de dizer que não quer fazer), ela não atende ao telefone, esquece instruções, ignora regras, falta a encontros, enfim, procura frustrar a expectativa do outro de forma dissimulada, ignorando-o.
Quando tomamos consciência dos Jogos de Poder, podemos usar antíteses, interrompê-los através do exercício de respostas cooperativas, pacíficas, que desobedecem às manipulações e abuso de Poder com propostas criativas de negociação. Esta é a forma de usar o outro lado do poder. É a substituição do Controle pela Cooperação.
Logo no início da obra, Steiner descreveu: “Desejo viver confortavelmente com os amigos íntimos que amo e com minha família... Quero ser guiado pela minha consciência em todas as minhas ações. Almejo envelhecer, ficar com a pele áspera e ser respeitado pela minha vida e por meus feitos”. Suas últimas palavras em Ukiah, ao deixar a vida terrena foram: “como sou sortudo”.
Posso dizer que também me considero sortuda por ter conhecido as ideias de Claude Steiner. Quero ser guiada em minha consciência para praticá-las.

Kátia Ricardi de Abreu
Psicóloga clínica especialista em Análise Transacional e consultora de empresas.