domingo, 28 de fevereiro de 2016

IMPACTOS

(publicado na Revista Bem-Estar, Diário da Região, em 28 fevereiro 2016)


Impactar: causar forte impressão. Há vídeos no Youtube que exemplificam como as pessoas buscam impacto de suas ações. Fiquei impactada ao assistir, por acaso, um deles: um jovem segurando apenas na mão de outro jovem, dependurou-se de um prédio enquanto com a outra mão segurando o celular, fez uma “selfie”. Ou seja, ele fotografou-se naquela posição suicida. Fiquei com frio na barriga pensando que ele poderia ter morrido se caísse daquela altura. Minha imaginação chegou até à mãe dele. Onde estaria essa criatura? Trabalhando? Passeando em algum shopping center? Ai Jesus!
As pessoas se filmam e se fotografam nas mais esquisitas, patológicas, engraçadas e bizarras situações. Querem deixar sua marca, registrar sua existência para uma plateia globalizada. Um vídeo viral é um vídeo que se popularizou muito rapidamente, fez sucesso na web. Pessoas comuns querem sair do anonimato através de comportamentos impactantes nas redes sociais, não importa quanto tempo dure.
Havia uma forma tradicional de impactar muito antes da “era www”. Comum, “luluzinhas” da escola na disputa por bobagens soltarem a pergunta seguida da resposta: quer aparecer? Coloca uma melancia na cabeça! Há-há-há!
Melancias à parte, há quem cause impactos positivos sem a menor intenção de fazê-los. E se queremos um mundo melhor, se acordamos e dormimos pensando que estamos vivendo a cada dia para tornar este mundo mais decente, certamente estamos causando muitos impactos. É o caso de pessoas que fazem o que gostam com dedicação, afinco, foco. Não precisa ser um Stanislav Petrov Yevgrafovich, que impediu uma guerra nuclear entre os EUA e a URSS em 1983. Como? Ele servia como coronel das Forças de Defesa Aérea Soviéticas quando o sistema de alerta nuclear do seu centro de comando acusou a informação de que os EUA haviam lançado um míssil e este estava vindo exatamente na sua direção. Stanislav analisou o relatório mantendo a cabeça fria e entendeu que a situação se tratava de um alarme falso e foi esta a informação que passou para seus superiores, evitando uma retaliação nuclear. Ele salvou o mundo literalmente. Não é necessário ter uma inteligência acima da média. Qualquer um poderá impactar positivamente o mundo dando o melhor de si.
Seja qual for o seu propósito, não se desvie dele, não se distraia com atalhos ilusórios, siga seu caminho acreditando no seu propósito e sua vida fará a diferença para as pessoas com quem você convive. Seus amigos ficarão impactados com sua presença entre eles, sua família ficará impactada com a convivência com uma pessoa como você, seus vizinhos ficarão impactados com seu aceno mesmo que de longe ao avistá-los, seus colegas de trabalho receberão diariamente o impacto da sua contribuição profissional e assim por diante.
Não importa a idade que você tem, não importa o que você faz, faça. Apenas faça. Lave sua roupa, limpe sua casa com tanto amor e dedicação que qualquer pessoa ficará impactada com o cheirinho gostoso de limpeza. Tenha um coração amoroso e aberto para aprender cada vez mais, buscando melhorar o que faz continuamente. Compartilhe seus talentos e conhecimentos, ofereça suas opiniões contrárias pacificamente, construa relações autênticas. Promova mudanças, nem que seja nas suas gavetas, no seu armário, no trajeto que faz, na sua forma de pensar, de sentir, de agir. Não tenha receio de desagradar quando está firme e confiante nos seus propósitos. Não vacile diante das críticas, siga em frente, ignore abordagens antiéticas, destrutivas que andam na contramão de resultados edificantes. Faça vista grossa para as calúnias, confusões insanas. Aprenda que o caminho percorrido é tão importante quanto a linha de chegada. E lembre-se de que, seu status no mundo é uma responsabilidade que lhe foi dada através da sua existência.
Honrar sua posição com humildade vai causar um enorme e anônimo impacto no coração daqueles que puderem trocar com você um simples olhar. Que seja um olhar impactante!



KÁTIA RICARDI DE ABREU
Psicóloga clínica e organizacional especialista em Análise Transacional
CRP 06/15951-5