sábado, 4 de março de 2017

EX



Ex-namorado, ex-marido, ex-esposa, ex-presidente, ex-funcionário, ex-ficante, ex-sogra, ex-isso, ex-aquilo. Uma das coisas mais difíceis é ser ex. Saber sair de cena com dignidade, equilíbrio e categoria.
Nas relações amorosas, ser ex é um verdadeiro teste de diplomacia. Já vi gente criar perfil fake para seguir o ex. O outro extremo também acontece: ignorar o ex, fingir que não o conhece. Não dá para se comportar como se a pessoa nunca tivesse feito parte da vida. Por mais traumático que tenha sido o relacionamento ou o rompimento, um dia a coisa foi boa, senão não teriam ficado juntos por algum tempo. O amor acabou (mesmo?), mas o respeito, a consideração, pode continuar e esta é a arte de ser ex.
Que coisa feia quando a pessoa sai falando para quem quiser ouvir, sobre aspectos da intimidade do ex. Conta seus defeitos, expõe seus pontos fracos mais constrangedores, diz que ele tem chulé, mau hálito e disfunção erétil. Que ela tem cabelo postiço, cheiro de bacalhau e ronca à noite. Barbaridade!
Os segredos do casal devem permanecer entre o casal mesmo que o relacionamento acabe. Abra o dicionário e procure pelo verbo “acabar”. Lembre-se de que o que acabou foi apenas esse relacionamento. Outros virão. E o principal: a vida não acabou. Poderá ficar melhor ainda com as lições sobre o que não fazer e o que fazer para ter uma relação amorosa duradoura.
Ciúme de ex é bizarro. A mulher não pode cumprimentar o ex, porque o namorado atual briga com ela, no estilo “teu passado te condena”. O homem tem que jogar fora o rolex e a caneta Montblanc presenteados pela ex porque a namorada atual é só chilique quando vê esses objetos. Ora, se ocorrem problemas com o ex, é porque ele ainda é! A separação física pode ter ocorrido, mas a psicológica, ainda não.
Ex-funcionário também pode dar “bafão”, sair falando mal da empresa e das pessoas com quem trabalhou. Jogar sinuca no boteco contando as intimidades corporativas e passando informações gratuitas, tomar cerveja com os ex-colegas de trabalho para atualizar as fofocas. Nada mais antiético!
A mídia revela diariamente o quanto é difícil ser ex. Prestem atenção nas declarações de ex-presidentes, ex-alguma-coisa na área política. É difícil voltar a ser um simples mortal depois de tantos holofotes, tapetes vermelhos, festas com mesas cativas, destaques em revistas e jornais e todos os aparatos do poder.
Ex-amigo é uma tristeza. Penso que amigos nunca deixam de ser amigos. Podem se afastar, se separar, se distanciar, se estranhar. Rompimento definitivo na amizade é sinal de decepção das grandes, quando se descobre que aquela criatura parecia ser uma coisa e era outra. O ex-amigo costuma deixar profundas cicatrizes na alma.

Passageiros chegam, passageiros partem na estação da vida. Assim também é no coração de cada um de nós. Reavaliamos e reformulamos constantemente nossos vínculos. Abrimos e fechamos ciclos de convivência. Como fazer isso de forma madura e saudável? Acenar sorrindo, despedir-se mansamente, sem amarguras faz parte da arte de ser ex.