domingo, 8 de dezembro de 2013

Ele está chegando...






Abro a agenda e o comentário logo desabrocha da mente e às vezes escapa pelos lábios: nossa, o Natal já está chegando!

Pois é, o ano rolou, o tempo escorregou. Rapidamente, faço aquela avaliação dos  projetos, das metas e objetivos que estabeleci no início do ano. Costumo escrever para não me esquecer dos compromissos que fiz comigo. Comemoro os objetivos atingidos e faço novo planejamento para o ano que virá.

Mas o que me deixa muito feliz é sentir a magia do Natal dentro do meu coração. Vibro com os pequenos detalhes e deixo a nostalgia chegar. Relembro aquela imensa mesa na casa dos meus avós, com tios, primos, muitos parentes, amigos, vizinhos. Música tocando, cheiro de assados no ar. Meu avô distribuía martelos para quebrar as castanhas e ouvíamos aquele barulho das cascas quebrando na mesa de madeira. A árvore de Natal era feita de um galho de jabuticabeira com jato de spray prata, muitas bolas coloridas. Uma algazarra total na casa, crianças correndo, entra-e-sai de uma porta a outra. Natal era barulho, movimento, vida, alegria, encontros.

O relógio carrilhão da sala de jantar dava as badaladas da meia noite e todos faziam silêncio. Ao redor da mesa, todos em pé, alguns de olhos fechados, ouviam a oração que meus avós faziam. Eles agradeciam tudo que estava acontecendo ali e pediam para Jesus abrandar o sofrimento de todos que estavam doentes nos hospitais, das pessoas que estavam distante daqueles que amavam.

Nesta parte da oração minha garganta ficava com um nó e eu pensava que, quando crescesse, queria ajudar as pessoas que sofrem, aliviar seu sofrimento de alguma forma.

Sou muito grata aos meus avós por me ensinarem a simplicidade do Natal e por imbuírem a solidariedade e o espírito natalino nos nossos corações.

Nesta próxima semana, minha casa vai começar a ficar movimentada. Filhos chegando, com todos os sabores e odores dos tempos natalinos. Estou muito feliz por ver a evolução dos meus clientes, que passarão um Natal melhor do que o último, pelas mudanças internas realizadas, pelos progressos na convivência dentro da diversidade.

Acho que realizei aquele sonho de criança. E desejo a todos vocês que o Natal seja simples como o galho de jabuticabeira que se fez árvore de Natal e os martelos para quebrar castanhas da casa dos meus avós.    O espírito natalino está dentro de nós!

Feliz Natal a todos vocês, queridos leitores e amigos!

Kátia Ricardi de Abreu
www.katiaricardi.com.br
www.facebook.com.br/katia.deabreu