quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

MUDEI!



Antes eu adorava tomar sol e me estirava por horas para pegar uma cor. Agora, fujo do sol e trinta minutos são suficientes para uma dose de vitamina D que não me causem mais manchas na pele do que eu já tenho. 
Sábado à tarde, shopping lotado, era meu dia de fazer compras e circular pelas lojas passeando. Agora, olho no estacionamento dos shoppings centers e só entro se estiver segura de que haverá local para estacionar, espaço para circular, mesa para me sentar e tomar um café. Cinema? Só quando está quase saindo de cartaz. E olhe lá! Fico esperando passar no Telecine para assistir em casa, no meu adorável sofá.

Salão de beleza para as poucas festas que costumo ir, também já fez parte da minha agenda. Agora, faço manicure no meio da semana e descobri que ajeito meu cabelo com minhas próprias mãos de acordo com meu estilo. Férias então... Só longe das temporadas. Quero praias, hotéis, estradas e aeroportos com o movimento apenas normal. Nada mais que isso.
Sempre fui muito vaidosa. Mas não uso nada que não seja confortável só porque é bonito ou se tornou uma tendência fashion. Quero sapatos, roupas, cintos, todos de acordo com a aprovação não só do espelho, mas do meu corpo. E a minha etiqueta predileta é aquela que cabe no meu orçamento.

O que houve comigo?

Evito aglomerações, barulhos, engarrafamentos de trânsito, excessos de tudo. Estou envelhecendo? Pode ser... Afinal, mais de meio século já se foram nesta estrada da vida. Mas quero acreditar que apenas mudei!
Fica mais aceitável na minha cabeça crer que algumas formas de estruturação de tempo não cabem mais na minha vida pelas escolhas que fiz. Não existe certo nem errado, não existe nunca nem sempre. Pode até ser que eu circule por estes lugares amanhã ou depois. Talvez, quem sabe...

O que descobri é que não faço mais nada sem consultar aquele lugarzinho dentro de mim que me deixa muito confortável em relação às minhas escolhas, sejam elas quais forem.
Isso inclui pessoas. E esta é a parte mais dolorosa. Poucos entendem o que é ser terapeuta e querer se poupar para estar inteira diante do cliente. Até para jogar conversa fora a gente tem que fazer escolhas que nos preserve, não nos tire a energia de forma vampirística.

Acabei ficando corajosa ao ponto de assumir quem eu quero e quem eu não quero para trocar as mais inocentes figurinhas. Longe de excluir interessantes e casuais conversas de salão, percebi que não estou interessada em nada que não me agrade mas sim em tudo que me faça sentir que o tempo destinado a isso ou aquilo, definitivamente valeu a pena.

Sim, mudei! Mudei tanto, que estou escrevendo no meu blog estas descobertas que até outro dia, eu as
guardaria apenas para mim.
Mas que bom, mudei! E hoje tenho o privilégio de compartilhar isso com vocês!


 Kátia Ricardi de Abreu
www.katiaricardi.com.br 
www.facebook.com.br/katia.deabreu