domingo, 28 de junho de 2015

O MOMENTO DA DECISÃO

Segundo Eric Berne, psiquiatra canadense, criador da Análise Transacional, todos nós temos um Script de vida, ou seja, elaboramos um roteiro, como uma peça de teatro, com começo, meio e fim, cujo conteúdo é a nossa própria história de vida. A elaboração deste Script começa muito cedo, na infância e adolescência, quando decidimos algumas coisas sobre nosso destino, sem termos adquirido informações suficientes sobre o mundo. Por esta razão, tais decisões são chamadas precoces e podem ser prejudiciais mais tarde na vida. Como estas decisões precoces ficam armazenadas no nosso inconsciente, não nos lembramos facilmente delas e atribuímos ao destino os acontecimentos que são desencadeados por nossas próprias atitudes. Para nos libertarmos de um Script de vida que não nos ajuda a sentir conforto diante do mundo, das pessoas e de nós, podemos elaborar um Plano de Vida consciente. Isso significa decidir abandonar crenças, comportamentos, que estavam “no automático”, parar e refletir: O que eu quero para mim? O que eu quero para a minha vida?
O momento da decisão é aquele no qual recusamos continuar a pensar, sentir e agir como sempre, dando-nos a PERMISSÃO para sermos felizes, que é a condição de príncipes e princesas à qual nascemos, segundo Berne.
O momento da decisão necessita PROTEÇÃO externa e interna. Para ter proteção externa, podemos contar com as pessoas que nos apoiam incondicionalmente. Amigos, familiares, um psicoterapeuta, enfim, pessoas que estimulam e acompanham nosso processo de crescimento psicológico. A proteção interna vem da nossa credibilidade em nós, quando tudo parece ser difícil.
O momento da decisão também pede que acionemos nossa POTÊNCIA, que vai atuar de forma a impulsionar nossas mudanças em direção aos nossos sonhos. Muitas vezes podemos até pensar que é uma questão de sorte. Mas não é. Como saber se chegamos se não pensamos aonde queremos chegar?
Quando tomamos a decisão de agir, pensar e sentir em determinada direção, muitas vezes temos que nos separar de coisas, objetos pessoais, hábitos e até mesmo pessoas. Temos que alterar a estrutura do tempo, rever nossas crenças, valores. E então, podemos cair em IMPASSES: o que eu quero para minha vida não é o que os outros querem que eu queira. E aí?
Abrir mão do que queremos significa seguir adiante com o Script de vida, que limita nosso bem-estar, felicidade, qualidade de vida. Sair do impasse e abandonar o Script significa renascer, reescrever nossa história. Eu posso. Você pode. Todos nós podemos.
KÁTIA RICARDI DE ABREU
Psicóloga Clínica Analista Transacional, Consultora de Empresas diretora da EGO Clínica e Consultoria.

17 32332556